Como funcionam os mercados da Alemanha

Os mercados aqui na Alemanha são tão diferentes do que estamos acostumados no Brasil que eu sugeriria a qualquer um fazer pelo menos uma compra aqui para conhecer e ver como funciona. É uma verdadeira lição sobre a cultura alemã, principalmente por mostrar o quanto eles conseguem ser práticos.

Os mercadinhos aqui perto de casa.

Mercados menores

Acostumada com o tamanho e a diversidade de produtos em um supermercado brasileiro, com o nosso costume de ir abastecer a despensa poucas vezes por mês e fazer uma compra grande, a primeira característica daqui que estranhei muito é que a esmagadora maioria dos mercados alemães parecem mercearias. São muito menores do que os nossos supermercados brasileiros, mas em compensação você encontra muitos e muitos deles por todo o lado. Por exemplo, em um raio de 550m do meu apartamento tenho a opção de SEIS!

O tamanho e a proximidade dos mercados faz com que a frequência da ida até lá seja maior e a quantidade de comida comprada seja menor do que no Brasil, onde fazer uma ou duas grandes compras por mês ainda é tradição.

Mas se você estiver procurando um supermercado do bom estilo brasileiro, procure um Kaufland, Metro ou Real. Esses mercados maiores ficam, normalmente, em bairros um pouco mais afastados do centro e, apesar de terem mais variedade, não necessariamente têm melhores valores.

Sacolas à venda no mercado, embaixo da esteira do caixa.

Levar sua própria sacola

Outra diferença aqui é que você precisa ir preparado fazer suas compras, já levar sua sacola de casa ou terá que pagar por uma nova, dependendo do modelo entre €0.45 a €5. O lado bom é que as sacolas vendidas aqui são bem resistentes, então você pode usá-las inúmeras vezes.

A dica é sempre deixar uma ou duas sacolas dentro da bolsa ou mochila para caso decida passar no mercado inesperadamente.

A agilidade dos caixas

Para finalizar a experiência completa em um mercado alemão, é preciso passar por toda a tensão e correria no caixa. Os funcionários nos caixas são extrema e absurdamente ágeis, e depois do leitor de código de barras você precisa ser muito rápido para colocar tudo numa sacola ou na bolsa para não atrasar a fila. Todo mercado oferece um balcão depois da área dos caixas para organizar as suas compras, já com esse propósito de agilizar o andamento da fila. Então se você não consegue acompanhar a rapidez do caixa, coloque suas compras de volta no carrinho ou na cestinha, se dirija até esses balcões e organize suas compras com calma.

Mesmo quando grandes, as filas são sempre muito rápidas, mas é até engraçado ver o alemães reclamando pedindo para abrir mais caixas quando isso acontece. Eles já estão acostumados com a rapidez, então se tem mais de 5 pessoas na fila, é normal ouvir eles pedindo para abrir mais um para ajudar. Apesar do tamanho da fila, dificilmente você fica ali mais de 5 minutos.

Hortifruti no mercado (e suas embalagens plásticas desnecessárias).

Preços

E claro, os valores são bem diferentes. Em outro continente, a produção e oferta de alimentos é diferente do Brasil, os impostos são outros, a economia é outra, as condições são outras. Eu sinto que o salário aqui rende bem mais, o poder de compra é bem maior.

Quando fui para o Brasil de férias em agosto, eu fui algumas vezes em mercados e rola aquele choque em ver como os preços são diferentes, por isso resolvi anotar alguns e comparar com os valores aqui de Munique.

Sobre isso vale dizer que o mercado que eu escolhi na minha cidade, em Joinville, Santa Catarina, é um mercado que tem valores medianos e produtos de qualidade. Ou seja, evitei pegar o mercado de valor mais alto e o muito barato. Com relação à Munique, é justo dizer que ela é considerada uma cidade cara, e fiz a pesquisa em um dos mercados mais caros, o Edeka, pois ele conta com mais variedade.

As embalagens aqui costumam ser um pouco menores do as brasileiras. Por exemplo, o arroz é normalmente vendido em embalagens de 500g, mas na tabela sempre igualei a quantidade para que a comparação ficasse mais justa.

Sobre as bebidas, o valor não considera o Pfand, ou seja, a embalagem retornável, que também é cobrada, mas você pode receber o dinheiro de volta assim que devolve as garrafas ao mercado.

Sobre a Pfand

Para a maioria das embalagens de bebidas é cobrado o Pfand, um valor que você pode pegar de volta quando devolver a embalagem ao mercado. Para fazer isso é só verificar se a embalagem tem o símbolo de retornável, ir até a máquina ao lado dos caixas nos mercados e fazer a devolução. Depois de terminar, aperte o botão verde e pegue a notinha. Essa nota é trocada no caixa, seja descontando o valor na hora que for fazer compras ou simplesmente pegar esse valor em dinheiro.

É muito maluco como as nossas percepções mudam conforme nos acostumamos com a cultura do lugar. Logo que cheguei eu pensava que não tinha nada nos mercados daqui, pouca oferta, pouca opção, pouca variedade, que eles eram pequenos demais. Hoje em dia eu adoro a maneira como é e apesar de eles realmente terem menos opções, ainda se encontra tudo que se precisa.

E você, gosta do jeito que os alemães fazem o rancho? O que gostaria que fosse mais barato no Brasil ou o que achou caro demais na Alemanha?

2 Replies to “Como funcionam os mercados da Alemanha”

  1. Oi Carol, ah a Alemanha!
    Adorei seu post, me lembrei da agilidade dos caixas, foi uma supresa a primeira vez, sem contar que você que empacota. A caixa era tão rápida que eu não dava conta. Já estava passando o do outro e eu ainda guardando minhas coisas, quando saí estava esquecendo produto hehe. Só estive em Berlim e amei.
    Vou continuar acompanhando suas postagens 😉

    1. Oi, Katiana! É bem assim mesmo, uma loucura!
      Berlim ainda está na minha lista, pretendo ir logo ❤️
      Obrigada 🤗

Deixe uma resposta