Um final de semana em Madrid

Oi, pessoal! O post de hoje não é meu, mas da Cristiani Eccher, uma amiga moradora de Dublin que também ama escrever, assim como eu. A Cris passou um final de semana maravilhoso em Madrid e resolveu contar tudo aqui no blog, para vocês!  

Madrid uma cidade riquíssima em atividades culturais e boa comida. Em todas as minhas viagens eu costumo classificar os lugares como: cidades que voltaria, cidades que se pode viajar sozinha, cidades que se tem uma ótima mobilidade, cidades onde se come muito bem e Madrid preenche os quatro itens. 

Vente conmigo y vámonos a Madrid!! Olé !!

A primeira coisa a se reparar ao chegar a Madrid é a mobilidade. O aeroporto, conectado com o sistema de transporte na cidade é muito eficiente. Apesar disso, se possível, recomendo uma caminhada gostosa, pois algumas ruas são lindas e em um dia de sol um passeio caminhando torna-se perfeito.

Se você optar pelo metrô, use a linha 8 rosa e siga até a estação “Nuevos Ministerios”. A partir dela se acessa todas as outras linhas. O ticket do aeroporto é pago separado (suplemento), por isso minha decisão foi comprar 10 viagens mais o trecho aeroporto. Mas claro que dependerá de sua estadia, que no meu caso, era de 3 dias.

Usei as viagens para alcançar lugares mais longos, até porque não compensa muito pegar o metrô para trajetos de 10 a 15 minutos de caminhada (muitas vezes isso é quase o tempo que você anda dentro de uma estação ao trocar de linha).

Dia 1 – Museu Reina Sofia

Cheguei às 17h no aeroporto de Madrid e segui direto para o hostel. Escolhi o OK Hostel, o qual recomendo muitíssimo.

Preferi já visitar o Museu Reina Sofia, onde a entrada é franca das 19h às 21h. O museu fica em um prédio de um antigo hospital e os elevadores panorâmicos são o destaque da sua fachada. O ponto alto do museu são as obras de Pablo Picasso e Salvador Dali, ver a pintura Guernica pessoalmente é impressionante!

Dia 2 – Centro de Madrid e Show de Flamenco

Palácio Real de Madrid e o céu azulão de janeiro! Foto: Cristiani Eccher.

No dia seguinte, resolvi explorar Madrid logo cedo. Mesmo no inverno de Janeiro, a cidade estava muito ensolarada, o céu estava um azul magnífico, as fotos estão aí para provar. Os dias eram frios no início da manhã e à noite, durante o dia a temperatura ficava em torno de 10 graus, mas muito agradável, já que o sol estava brilhando.

A primeira parada do segundo dia foi o Palácio Real de Madrid. Recomendo a visita, pois, embora não tão famoso como o Palácio Versailles, é um dos maiores palácios da Europa e as salas possuem pinturas de Velázquez e Goya no teto.

O palácio não é a residência oficial dos governantes ou da família real, assim como o palácio de Buckingham em Londres, mas além de ser o local cerimônias e solenidades oficiais, ali também acontece a troca da guarda. Entre no site para verificar os horários e preços de visitação, que mudam de acordo com a estação do ano.

Como passei por lá em uma sexta e sábado não pude entrar nos dias e horários gratuitos sugerido pelo site, mas vale a pena se planejar. Veja os horários de visitação gratuita aqui.

Em frente ao palácio está a Catedral de la Almudena, onde é possível subir até a cúpula e ter uma vista lindíssima do palácio. De lá segui para los jardines de Sabatini, um parque pequeno que faz parte do Palácio Real. Ainda nessa região recomendo uma passeada nos Jardines del Palacio Real e desfrutar desse lugar que me deixou com vontade voltar à Madrid na primavera para ver todos esses jardins floridos.

A vista do Palácio Real de Madrid. Foto: Cristiani Eccher.

Ainda na região do palácio, decidi visitar o Templo Debod. Chegando lá, fui novamente surpreendida com a vista encantadora. Neste parque existem algumas esculturas egípcias presenteadas à Espanha. Mais informações sobre a história do monumento pode ser encontrada nesse site.

Todos recomendam visitar o parque para ver o por do sol, mas eu já tinha planos para entrar no Museu do Prado às 5:30, então vai ficar para uma próxima visita.

Templo Debod. Foto: Cristiani Eccher.
Plaza de España e esse céu azul que eu ainda não superei. Foto: Cristiani Eccher.

Fui caminhando em direção à Plaza de España e os monumentos de Cervantes. Miguel de Cervantes, o escritor de Don Quixote, foi de extrema importância para a literatura espanhola, assim como Shakespeare para a literatura inglesa. Inclusive, os seus diplomas de língua estrangeira (DELE – Diploma de Espanhol como Língua Estrangeira) são aplicados pelos Institutos Cervantes no mundo inteiro, assim como o IELTS e TOEFL no inglês ou o Goethe do Goethe Institut na Alemanha.

Caminhando pela Gran Via, se pode observar a quantidade de lojas, uma quadra que lembra o Picadilly Circus em Londres. Shows da broadway e muita iluminação!

Ao passar pela “Plaza de la Cibelle” e pelo “Palacio de las Comunicaciones”, cheguei ao Parque Retiro, no qual recomendo você investir pelo menos umas 2 horas. O parque possui monumentos, um lago lindo e é repleto de músicos e quiosques, tornando o lugar perfeito para apreciar uma boa cerveja e umas tapas (porções). Minhas tapas preferidas foram os calamares  e as bravas, lulas empanadas e batatas apimentadas, traduzindo. Então não tenha pressa aqui. 

Parque del Retiro, ótimo lugar para sentar e relaxar. Foto: Cristiani Eccher.

Depois de recarregar minhas energias, caminhei até o Museu do Prado e me deparei com uma fila enorme! Como depois das 18h a entrada é gratuita, ela flui mais rápido e logo diminui. O funcionamento do museu se encerra às 20h, o que resulta em menos de duas horas para aproveitar o museu, mas se você se planejar bem, é possível apreciar obras famosas como “Las meninas” de Velázquez e obras de Goya e Caravaggio. 

Mas a obra que mais me impressionou foi ela a “ Mona Lisa”. Sim, existe uma cópia da famosa Mona Lisa no Museu do Prado! Ela foi pintada no estúdio de Leonardo da Vinci por um de seus pupilos. Encontrei um artigo muito interessante sobre as diferentes Monalisas ao redor do mundo, leia aqui (em inglês).

A Mona Lisa do Museu do Prado.

Para um apreciador de obras de arte, talvez pagar a entrada e ter mais tempo disponível seja melhor, mas no meu caso, querendo economizar tempo e dinheiro e conhecer ainda outras atrações de Madrid, essa opção foi excelente.  

Se você gosta de aproveitar tudo o que a cidade tem a oferecer, sugiro comprar um ticket online para um show de Flamenco antecipado. Eu garanti o meu e, por isso, saí às 19:50 do museu para chegar exatamente às 20:15 no Teatro Flamenco Madrid, onde acontece os shows. A apresentação de Flamenco é uma experiência emocionante.

O show dura aproximadamente 1 hora e a apresentação é uma mistura de dança, com músicos e cantada ao vivo. Muitas pessoas reservam o show com o jantar, mas para quem tem orçamento apertado somente o show é uma excelente opção. O ingresso sem o jantar me custou 25 euros nesse site aqui.

Show de Flamenco em Madrid: imperdível! Foto: Cristiani Eccher.

Após o show, uma volta pelo centro durante a noite é imperdível. As ruas ainda estão bem movimentadas, principalmente na Plaza Mayor. Eu fui em direção ao Mercado de San Miguel para apreciar mais tapas, já que li muitas recomendações de lá.

Mercado de San Miguel. Foto: Cristiani Eccher.

Dia 3 – Plaza de Toros e Mercado de San Miguel

No último dia fui até estádio do Real Madrid com a intenção de fazer a visitação. Para quem é muito fã de futebol, o estádio com certeza é uma atração imperdível. É uma pena que, diferente de estádios em outras cidades europeias como Barcelona ou Munique, a carteira de estudante universitária não dá direito a descontos nesse aqui. 

Mudei de ideia sobre o passeio ao estádio em cima da hora e decidi entrar na Plaza de Toros de las Ventas e me educar sobre esta atividade tão famosa e ao mesmo tempo tão assustadora. A tourada.

As arquibancadas da Plaza de Toros de las Ventas. Foto: Cristiani Eccher.

Não fui a uma tourada, mas a visita da arena dá para se ter uma ideia da dimensão. Os touros são escolhidos segundo seu temperamento. As touradas eram predominantemente masculinas, mas María de los Ángeles Hernández Gómez foi a primeira toureira, iniciando em 1974 uma luta para que outras mulheres pudessem tourear pela Espanha. 

A tourada divide opiniões hoje em dia, se deveria ser descontinuada e pertencer somente a história. Eu espero que sim, mas sem sombra de dúvidas essa é também uma parte importante da história e cultura espanhola. (Mais informações sobre as touradas podem ser encontradas nesse site.)

Terminei minha expedição Madrid com um café e as famosas empanadas, super fáceis de encontrar pela cidade, assim como as tapas e os croquetes. De sobremesa, deliciosos churros de chocolate.

Cafézinho para começar a triste de despedida de Madrid. Foto: Cristiani Eccher.

Provei também as cervejas espanholas mais populares. No Mercado de San Miguel sugiro apreciar as cavas, espumantes espanhóis que podem ser brancos ou rosé. Uma delícia! Para quem não tem restrições de alimentação, se permita provar todos os sabores, afinal a culinária é fundamental para uma experiência inesquecível e completa da cultura local.

Porque um chocolate quente com croissant nunca é demais. Adiós, Madrid!
Foto: Cristiani Eccher.

Ainda é interessante observar que a Espanha teve seu território geopolítico alterado ao longo da sua história desde o período ibérico, assim é possível notar inclusive influências, como nos azulejos e na música flamenca, que foram originados durante esse período. Nas construções da Plaza del Toro e do Palácio Cristal no Parque del Retiro essa fase também fica perceptível nos acabamentos. Mas terminemos por aqui e deixemos essa história para um próximo post. Adiós Madrid!!

E aí, pessoal? Quem além de mim também ficou com vontade de visitar Madrid depois do post da Cris?

Deixe uma resposta